terça-feira, 29 de junho de 2010

Um minuto de silêncio em português

Bons pensamentos demandam muito silêncio.









O luto por Saramago persiste em mim por desmomentos em que tudo silencia e num soluço dolorido como que atravessado num segundo de tristeza resmunga que sua produção intelectual ainda estava ativa e rendendo pérolas inestimáveis A obra é finda diria meu velho professor que apresentou-me o escritor português há muito dizendo Essas linhas vêm direto do pensamento e eu Só dá pra respirar a cada três páginas e ao me lembrar deste diálogo consolo-me do peso da morte de um escritor que tanto admiro com o adocicado sentimento de que o velho português já havia feito muito pela vida dele e pela minha e pela de tantos garimpeiros de suas jóias literárias.











O exagero é devidamente condenado, e a ausência repudiada. Mas como encontrar o meio sem conhecer os extremos?

3 comentários:

Alexandre Piccolo disse...

é Dgorla virou um texto experimentação a la Saramago mesmo curtinho coisa q o português não fazia...

ૐ Filha de Gaiaૐ disse...

Certeza que o mundo ficou um tanto mais cinza com a partida de Saramago mas como ele mesmo disse: "Todos sabemos que cada dia que nasce é o primeiro para uns e será o último para outros e que, para a maioria, é so um dia mais."
Sua obra o tornou imortal!

DGorla disse...

É, Alexandre, foi uma homenagem abusada, mesmo, aventureira e pretensiosa. Mas foi o que consegui. Ele merecia muito mais, sem dúvida.

Ele viveu muito durante a existência, e continuará existindo mesmo agora, que já não vive, certo, filha de Gaia?

Obrigado pela visita.